PROCESSO DE TOMBAMENTO

Partindo das investigações sobre a memória, arruinamento e pertencimento, apresento a série  Processo de Tombamento, como proposição reflexiva sobre esses temas, apropriando-se de imagens simbólicas e da estética da precariedade como elementos disparativos.

Tombamento é o termo dado para o ato administrativo realizado pelo Poder Público com o objetivo de preservar, por intermédio da aplicação de legislação específica, bens de valor histórico, cultural, arquitetônico, ambiental e também de valor afetivo para a população, impedindo que venham a ser destruídos ou descaracterizados. Ao mesmo, apesar de não haver a mesma raiz semântica, a palavra “tombar” tem o sentido de fazer cair, derrubar e/ou declinar.

Infelizmente, a percepção de associar os dois termos ao se tratar dos bens tombados brasileiros se devem pelo processo contínuo de abandono, descaso e precarizações com o próprio patrimônio. Não somente os bens, mas os órgãos responsáveis pela fiscalização e preservação, também sofrem com o sucateamento e o abandono governamental. Nos últimos anos, houveram perdas patrimoniais irreparáveis em todas as instâncias, atingindo todas as frentes do valor patrimonial nacional.

O projeto Processo de Tombamento apresenta um recorte de patrimônios culturais nacionais que encontram-se, ou já passaram, pelo processo administrativo. Ao mesmo que notadamente encontram-se em situação de risco, ou, já arruinados. Partindo da dualidade dos sentidos da palavra “tombamento”, o projeto consiste em selecionar e se apropriar de imagens de forte apelo emocional que exaltam esse contexto.

Dos fatos mais marcantes ocorridos nos últimos anos, escolhi fotografias que causam descontentamento e revolta por escancararem a precarização vertente presente dos últimos tempos. O projeto consiste em pinturas dessas imagens selecionadas, de forte impacto emocional, sustentadas por escoramentos precários de madeira.

A pratica pictórica é desenvolvida por sobreposições de velaturas, que não buscam trazer a verossimilhança, mas a sombra das imagens, aludindo a perda da memória ao longo prazo e o impacto nas definições de identidade e patrimônio. O escoramento precário, presente nas diversas obras emergenciais, está diretamente ligado à essas politicas de salvaguarda no processo de tombamento, que em teoria protegeriam esses bens contra os desastres que os acarretaram.

O projeto tem como maior intuito refletir e levar ao questionamento sobre a quem pertence o patrimônio, e o impacto da perda do mesmo ao longo dos anos na construção de identidade e de desenvolvimento da cultura nacional.  Por essa razão, é de relevância trazer à tona a discussão e a reflexão das ações que devem ser tomadas para que estes fatos, entre outros, não se tornem um esquecimento impune.